26 julho 2006

purga pública (1/3)

provérbio: o homem é dono dos seus silêncios, mas escravo das suas palavras.
- foi sem querer...
- sem querer mata-se a um homem.
purga. do Lat. purgare v. tr., tornar puro; limpar; purificar; desembaraçar os intestinos; administrar uma purga; expiar; livrar do que é nocivo; v. int., expelir pus ou maus humores; v. refl., tomar um purgante.
haraquiriNos dias engrunhados não me amo; nos dias engrunhados digo cousas con palavras aguilhoadas, nos dias esfolados son muito repunante dediós, mais que a cotio. após, os pruridos mortifican-me dias mais dias; e engrunho mais, e esfolo mais, e somente quero chorar, mas não dão saído bágoas; e somente quero deitarme estropeado e esmorecer.
sou assim, não quereria, mas sou, é o que há... se calhar um dia aprendo a amar-me e sou feliz, oxalá. desculpai-me.
uns dez dias há, uma amiga disse-me que fiz mal escrevendo o deleteando-me, que semelhava ofensivo para o blogomilho... tinha razão, mas como não foi esse o meu propósito, fiz uma pequena modificação no mesmo momento.
aliás, levo cismando no asunto todos estes dias, escolhi mal as palavras, muito mal, não devi escrever aquilo, não, não, não devi escreve-lo, não desse jeito, não com essas palavras que me escravizaram... por isso resolvi fazer esta purga pública.
não sei se cheguei ofender alguem (poucos chegariam ler aquilo antes de muda-lo) mas no coração sinto a certeza de que sim ofendi; e ainda não chegando ter ofendido, cumpre uma explicação do verdadeiro sentido daquele post, pois diz-que rectificar é cousa sábia. (a continuar).

1 comentário:

  1. eu non creo que os sentimentos sinceros ofendan. alomenos non deberían. outra cousa é que as túas palabras non describan os teus sentimentos...

    ResponderEliminar